sábado, 15 de outubro de 2016

Efeito "Bokeh" para Fotografia

 Bokeh (palavra japonesa que significa «esborratar») é um efeito que permite a suavização das fontes de luz que se encontram fora do foco da câmara, destacando melhor aquilo que pretendemos fotografar. Por exemplo, na imagem que se segue o fotógrafo tinha como principal objetivo capturar os autocolantes presentes na parede, para tal, focou a parede com os autocolantes, esborratando assim a luz proveniente do fundo do plano.


 Para a criação deste efeito devem ser usadas lentes rápidas, que proporcionem grandes aberturas de diafragma (f2.8 ou inferior), de forma a impedir que este bloqueie luz. A forma geométrica das fontes de luz também depende da qualidade da lente da câmara, sendo mais circular quantas mais lâminas o diafragma da câmara tiver (a lente utilizada na fotografia acima tinha 8 lâminas).

 Outro fator importatíssimo é a distância a que nos encontramos do foco principal da nossa foto, pois quanto mais afastados dele nos encontrarmos, mais amplo será o Bokeh, tornando-se menos interessante. Caso nos encontremos muito afastados da figura central da nossa fotografia, devemos compensar essa distância reduzindo a abertura do diafragma (faz com que se percam as formas geométricas) até que fiquemos satisfeitos com o resultado. Portanto, o Bokeh resulta de um meio termo entre a abertura do diafragma e a distância.


Efeito de longa exposição para Fotografia

 O efeito de longa exposição consiste em fotografar com velocidades de obturação baixíssimas, ou até mesmo com o modo "Bulb" - que nos permite escolher a velocidade desejada premindo apenas o botão do obturador. Fruto do longo tempo de exposição a que submetemos o nosso sensor de imagem, obteremos uma imagem meio "esborratada", tal como esta fotografia tirada numa feira popular:

  
  No entanto, para obtermos tal efeito, são necessários alguns cuidados. Temos de ter em conta a estabilidade da câmara. O mínimo movimento do sensor de imagem neste processo (que dura normalmente 10 segundos) irá resultar numa imagem esborratada e impercetível, portanto é fundamental o uso de um tripé para a reprodução deste efeito. Devemos também usar um ISO o mais baixo possível (de forma a minimizar o ruído da imagem), e o foco no modo manual, que juntamente com uma abertura do diafragma elevada, irá permitir focar uma grande área do que pretendemos capturar, resultando numa imagem mais límpida.

 Para os mais curiosos seguem aqui dois links, um deles com exemplos de fotografias tiradas com este efeito, e outro com uma explicação mais pormenorizada do procedimento de tiragem:



http://fillthewell.com/long-exposure-photography/ (mais fotografias com este efeito)

Fotografia em condições de pouca luminosidade

Para garantir uma exposição correta numa situação em que as condições sejam de baixa luminosidade existem 4 soluções – cada uma com a sua desvantagem – que permitem a captação de uma maior quantidade de luz:

1. Aumentar a abertura do diafragma, ou seja, diminuir o número de f-stop e, consequentemente, diminuir a profundidade de campo;


2. Diminuir a velocidade de obturação, o que determinaria a perda do “congelamento” da imagem;


3. Aumentar o valor de ISO, o que resultaria na diminuição da resolução da imagem;


4. Usar um flash, obtendo-se uma imagem menos natural.



Alteração da imagem consoante o ISO, velocidade de obturação e abertura do diafragma

Fotografia: Sensibilidade (ISO)

A sensibilidade é a capacidade química do sensor da câmara –o filme, na câmara tradicional, ou o sensor, na câmara digital – reagir à luz. 

Diferença na quantidade de luz da imagem em função do ISO

A sensibilidade do sensor é medida através do ISO (International Standards Organization). Neste contexto, quanto maior for o ISO, maior será a sensibilidade do filme à luz, de modo que se necessitará de menor quantidade de luz para obter uma exposição correta. Assim, por exemplo, um filme de ISO100 tem o dobro da sensibilidade de um filme de ISO50 e capta metade da quantidade de luz captada por um filme de ISO200. 
Contudo, o aumento da sensibilidade do sensor resulta numa consequente amplificação do ruído elétrico, de forma que, quanto maior for o ISO utilizado, menor será a resolução da imagem.

Diferença na qualidade de imagem em função do ISO

Neste sentido, para obter uma imagem com melhor qualidade deve utilizar-se o menor ISO possível, recorrendo apenas a um ISO alto quando não existem outras formas de compensar a falta de luz.

Os ISOs podem ser classificados em 3 grupos de sensibilidade:

Lenta (ISO de 25 a 125): São filmes que necessitam de grande quantidade de luz, mas permitem grandes ampliações com excelente qualidade, sendo indicados para fotografias de objetos estáticos, paisagens e imagens que precisem de grande definição de detalhes, como as fotos técnicas;

Média (ISO de 200 a 400): São filmes que necessitam de uma boa quantidade de luz. Este ISO permite imagens de boa qualidade, sendo usados para fotografar quase tudo: natureza, paisagens, fotos em estúdio e retratos;

Alto (ISO de 800 a 3200): São filmes de alta sensibilidade, necessitando de pouca luz. São úteis para situações de pouca iluminação ou quando se usa altas velocidades de obturador. Contudo, a resolução das imagens é inferior, apresentando ruído.


Escala do ISO




Diferentes formatos de imagem(jpeg,png,gif)

Aqui podemos ver a mesma imagem em diferentes formatos(jpeg,png,gif)
Em jpeg(14.2 KB)

Em png(197 KB)

Em gif(61.4 KB)

A Primeira Foto A Cores

A primeira fotografia colorida (sem ter sido depois alterada com a adição de cores via a mão humana) foi a fotografia representada em baixo, tendo esta sido capturada por James Clerk Maxwell:


James Maxwell é mais conhecido pelas suas contribuições no campo da física, mais especificamente por unificar as observações da electricidade, o magnetismo e a luz nas suas teorias de electromagnetismo.
Esta foto foi captada pelo assistente de Maxwell, Thomas Sutton, em 1861 tendo este seguindo as instruções que lhe tinham sido dadas. Esta foto é composta por 3 imagens monocromáticas tiradas através de 3 filtros: 1 filtro azul, 1 verde e 1 vermelho, tendo como resultado final o laço apresentado em cima.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Prático e funcional: o formato GIF

        Conhecido por muitos, o formato de imagem GIF (Graphics Interchange Format) é bastante utilizado por vários utilizadores na Internet, quer seja por motivos lúdicos ou por motivos profissionais.
        
        Em primeiro lugar, o formato GIF foi criado em 1987 por Steve Wilhite, enquanto este trabalhava na empresa de serviços online CompuServe, no âmbito de criar um formato de imagem a cores para as suas áreas de descarga de ficheiros que substituísse o formato RLE que apenas suportava imagens a preto e branco. Este formato popularizou-se pela sua forma de compressão de dados LZW, que não permite que haja qualquer perda de informação da imagem original e que torna a imagem relativamente mais "leve" para facilitar o seu download e circulação na internet. Para além disto, o formato GIF permite criar animações simples compactando várias imagens GIF numa só, que é o que se chama de GIF animado, e também permite transparência. Este formato é mais frequentemente usado para esquemas e gráficos de barras, e também para outro tipo de usos que envolvem pequenas animações geralmente para sites ou redes sociais, o que também popularizou bastante este formato.
        Apesar disto, o formato Gif também possui as suas limitações devido ao seu tamanho reduzido; fazendo com que este formato possua uma paleta de cores bastante limitada de apenas 256 cores (8 bit), não sendo indicado para guardar fotografias ou imagens realistas que possuam uma gama de cores mais alargada. 

        Concluindo, o formato GIF revela-se bastante útil em termos de tamanho e de modos de utilização, tornando este formato num dos mais utilizados na internet.




Texto escrito por mim


O que é o Photoshop


Criado em 1988 por Thomas e John Knoll, o Adobe Photoshop tornou-se como que um icon da atualidade no conceito de edição de imagem gráfica.
O Photoshop é um programa de edição de imagem que nos possibilita imensas variedades de edição, podendo ser possível alterar tanto a forma como uma imagem está, juntar essa a uma outra, mudar os níveis de RGB e muito mais. Este programa suporta várias layers, masks e muitos muitas outras ferramentas.
Para além da edição de imagem, o Photoshop possibilita-nos a criação de animações, o uso de vídeos e ainda criação de desenhos digitais com auxílio tanto do mouse como de uma mesa gráfica, é um programa dos quais suporta um número vasto de opções de graphic files tal como o png, jpg, gif entre os demais e ainda tem o seu próprio graphic file, o psd.
Em si este programa vê-se como uma grande ferramenta para inúmeras pessoas visto que esta disponível tanto para Windows como macOS com um total de 26 línguas disponíveis e até à data este programa continua a evoluir.


Adobe Photoshop CC 2015 - Última Versão do Photoshop

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Lentes Fotográficas

Lentes fotográficas são equipamentos altamente complexos, compostos por dezenas de partes móveis e fixas.  Têm diversas camadas de vidro, revestimentos de alta tecnologia, partes eletrônicas para foco automático, compensação de vibração, montagem e construção especializada… Estes são apenas alguns dos aspectos que nos permitem classificar os tipos e escolher lentes para uso em projetos fotográficos.

Com tamanha diversidade, podemos classificar e escolher os tipos de lentes de acordo com:
1.     Distância focal e ângulo de visão
2.     Poder de zoom
3.     Uso especial (olho de peixe, macro e tilt and shift)
4.     Focagem (automática ou manual)


Em baixo temos uma tabela que mostra uma classificação possível de lentes primárias para sensor full frame de acordo com as suas distâncias focais. (Estas podem mudar dependendo de os fabricantes)


Tipo de Lente               Distância Focal(para sensor full frame)                      Aplicações comuns
Olho de peixe                                Até 16 mm                                                     especializada, criativa
Super grande angular                    Até 24 mm                                     paisagens, arquitetura e interiores
Grande angular                             Até 35 mm                                     paisagens, arquitetura e interiores
Normal                                         40 mm a 85 mm                                                           retratos
Telefoto média                             75 mm a 300 mm                            retratos, desporto, vida selvagem

Super telefoto                              Mais de 300 mm                                          desporto, vida selvagem

Formatos de Imagens

Formato JPEG (JPG)

JPGE : joint Photographic Experts Group

É um dos formatos de imagem mais populares da Internet por aliar duas características importantes, tanto oferece níveis razoáveis na qualidade da imagem como também gera arquivos de tamanho pequeno comparando com outros formatos, o que permite mais facilmente o seu armazenamento e a sua distribuição.

O formato JPEG possibilita isso pois utiliza compressão de imagens ou seja, elimina dados redundantes nos arquivos.Quando se tratam de imagens, é possível fazer a compressão de forma a que a informação retirada não prejudique a qualidade, mas quanto maior for o nível de compressão menor será o tamanho do arquivo, mas por outro lado pior será a qualidade da imagem.


JPEG com menor taxa de compressão
                           
A mesma imagem que a anterior mas com maior compressão.

http://www.infowester.com/imagens.php



"Photoshop" na década de 1930



A edição de imagens não é um assunto novo e não surgiu com a criação do Photoshop. Na célebre Hollywood da década de 1930, as estrelas tinham acesso a produções impecáveis tanto nos estúdios cinematográficos quanto nas sessões de fotografia.

Um dos nomes responsáveis por isso era George Hurrel. Além do jogo de luz e sombra, o fotógrafo sempre se atentava à posição que astros e estrelas deveriam fazer para que a imagem exalasse um mix de fantasia e suntuosidade. Os retoques de James Sharp eram a cereja no topo do bolo.

O editor usava uma máquina no próprio negativo que tinha a função de suavizar a pele, remover manchas e apagar linhas de expressão. Como naquela época não havia recursos mais modernos, Sharp demorava cerca de 6 horas para retocar uma imagem. Foi o que aconteceu, por exemplo, com Joan Crawford no material publicitário do filme de 1931 “Laughing Sinners”.








Fonte: http://www.metropoles.com/vida-e-estilo/beleza/veja-como-funcionava-o-photoshop-da-decada-de-1930




Henri Cartier-Bresson

Henri Cartier-Bresson (Chanteloup-en-Brie, 22 de agosto de 1908 —Montjustin, 2 de agosto de 2004) foi um fotógrafo do século XX, considerado por muitos como o pai do fotojornalismo.
Cartier-Bresson era filho de pais de uma classe média (família de industriais têxteis), relativamente abastada. Quando criança, ganhou uma câmera fotográfica Box Brownie, com a qual produziu inúmeros instantâneos. Sua obsessão pelas imagens levou-o a testar uma câmera de filme 35mm. Além disto, Bresson também pintava e foi para Paris estudar artes em um estúdio.


Primeira Maquina de Henri Cartier-Bresson;


Famoso Henri Cartier-Bresson;

Fonte: wikipédia
12-10-16

GIF



GIF (Graphics Interchange Format, que se pode traduzir como "formato para intercâmbio de gráficos") é um formato de imagem de mapa de bits muito usado na world wide web, quer para imagens fixas, quer para animações.

O formato foi introduzido em 1987 pela CompuServe a fim de fornecer um formato de imagem a cores para as suas áreas de descarga de ficheiros, em substituição do formato anterior, RLE, que era apenas a preto e branco. O GIF tornou-se popular porque utilizava compressão de dados LZW, mais eficiente que o run-length encoding usado por formatos como o PCX e o MacPaint, o que permitia que imagens relativamente grandes fossem baixadas num tempo razoável, mesmo com modems muito lentos

.


Este formato de arquivo atualmente é amplamente utilizado na web por causa do seu tamanho compacto. No entanto, este formato possui uma paleta limitada de cores (256 no máximo), impedindo o seu uso prático na compactação de fotografias. Por causa desta limitação o formato GIF é utilizado para armazenar ícones, pequenas animações ou imagens com áreas extensas de cores chapadas.

Fonte do texto: https://pt.wikipedia.org/wiki/Graphics_Interchange_Format
Fonte da imagem: https://pt.wikipedia.org/wiki/Graphics_Interchange_Format#/media/File:Sunflower_as_GIF.gif

Animais Mutantes (A extensão do PhtoShop em Animais ;) )

Aqui temos a mistura de dois (ou mais) animais num só utilizando o PhotoShop, o resultado ainda que meio bizarro é muito divertido :D.


Resultado de imagem para photoshop em animais

Resultado de imagem para photoshop em animais

Resultado de imagem para photoshop em animais

Resultado de imagem para photoshop em animais

Os 3 Hackers mais famosos até hoje!

JONATHAN JAMES - Era conhecido por "c0mrade" na internet. O seu bilhete para a fama e para esta lista foi o facto de "hackeado" imensas networks que pertenciam ao Departamento da Defesa dos E.U.A e da NASA (fazendo o download de código suficiente para perceber como a Estação Espacial Internacional funcionava). Tudo isto com apenas 15 anos.

KEVIN MITNICK - Este homem "hackeou" o Departamento da Defesa dos E.U.A ultrapassando a última camada de segurança (primeiro homem a fazê-lo) e roubou inúmeros segredos do mesmo. O Departamente da Justiça dos E.U.A considerou-o o "criminoso cibernético mais procurado na história dos E.U.A"

ALBERT GONZALEZ - Albert utilizou as suas capacidades de hacker, para roubar 170 milhões através de informações sobre cartões de crédito e ATM's durante cerca de 2 anos. Ele invadiu o sistema do Heartland Payment Systems e roubou maior parte dos códigos dos cartões multibanco de milhares de pessoas. O seu crime é até hoje um dos maiores senão o maior roubo cibernético mais "pesado" de sempre.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Pixel por Pixel

Descobri que esta em estudo a possibilidade de detetar situações  de deslizamento de terra em todo o mundo através da combinação de imagem de satélites e obtenção remota de dados com a analise das imagens pixel por pixel.
Introduzindo os dados remotamente obtidos em programas de computador é possível, om base de um conjunto de variáveis, incluindo a analise de precipitação, identificar zonas em risco de derrocada, este sistema tem ainda algumas limitações mas pode ser uma ferramenta importante para evitar muitas tragedias.

Site:https://eos.org/articles/tracking-landslide-hazards-around-the-world-pixel-by-pixel

Mitos e Verdades sobre a fotografia

Encontrei um artigo sobre 5 mitos e verdades sobre a fotografia que gostava de partilhar convosco

Quantos mais pixeis melhor qualidade de imagem?
Isto é um mito, pois ter mais megapixels não significa melhor  qualidade de imagem, isto é um mito pois uma coisa não esta relacionada com a outra.

Câmara fotográfica tem vida útil?
Verdade, o normal é dizer que não, mas isso é errado, pois a vida útil das maquinas é medida pelo o numero de clicks, logo quando mais clicks mais perto do seu fim esta.

A lente que vem no kit não é boa para fotografar?
Mito, este é um boato que se propaga, As historias dizem que a lente que vem junto com o kit da câmara, e que geralmente é mais barata, não é boa para trabalhar. No entanto, cada lente tem um tipo específico de uso

Marca X é melhor que a marca Y?
Mito, com frequência usuários da Canon e da Nikon criam debates em fóruns para tentar chegar a conclusão de qual é a melhor marca. A verdade é que a marca não interessa, ambas as marcas sao boas, o que interessa é qual é a mais indicada para si.

RAW não é bom para eventos sociais?
Mito, costuma dizer-se que RAW não é bom para eventos sociais, por causa do tamanho da foto e do tempo para processar a imagem. Mas se houver uma preparação, isso deixa de ser um problema e torna-se uma vantagem.





Reveladas as primeiras fotografias de concurso anual


  A revista americana "National Geographic" lançou, durante a semana passada, 25 fotografias de alguns dos participantes  no evento "2016 National Geographic Nature Photographer of the Year". Destacou-se esta fotografia tirada a uma lula - habitante das costas neozelandesas e australianas. O fotógrafo Matthew Smith comentou que foram necessárias inúmeras semanas de mergulho noturno para obter esta fotografia fenomenal. 
Celestial Terrestrial #1, de Matthew Smith
 Para os interessados, as inscrições ainda estão abertas (até dia 4 de novembro) custando um total de 15 euros por foto. Cada fotógrafo pode submeter mais do que uma fotografia para a avaliação dos jurados. Infelizmente não é permitida a participação de Portugal neste ano.
 Os prémios para os três primeiros classificados, para além de dinheiro, incluem uma viagem de 10 dias às Galápagos, numa expedição da National Geographic.  O primeiro classificado receberá 2500 euros. 
 Os mais curiosos podem observar as restantes fotografias dos fotógrafos participantes, no seguinte link:http://www.theatlantic.com/photo/2016/10/2016-national-geographic-nature-photographer-of-the-year-contest/502829/

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Como escolher uma máquina fotográfica

Precisa de escolher uma máquina fotográfica e não sabe a que pormenores ou características dar atenção? Nós explicamos, é fácil.

6 PONTOS A CONSIDERAR AO ESCOLHER UMA MÁQUINA FOTOGRÁFICA

1. POINT AND SHOOT OU DSLR

Tal como o nome diz, as máquinas fotográficas “point and shoot” servem apenas e só para isso mesmo: “apontar e disparar”. São mais baratas e não exigem muito do ponto de vista dos conhecimentos fotográficos. Já as DSLR são aconselhadas para quem procura entrar num mundo fotográfico mais profissional. Para além da grande independência que possibilitam ao utilizador, são geralmente associadas a fotografias de grande qualidade e… a orçamentos bem mais altos.

2. VAI UTILIZÁ-LA COM QUE FREQUÊNCIA? VALE A PENA GASTAR MUITO?
Quer comprar uma nova máquina fotográfica? Tudo bem… mas para quê? É o seu novo hobby e vai utilizá-la frequentemente? Quer utilizar a sua máquina fotográfica quando for viajar? Mas com que frequência viaja? O custo da sua nova máquina fotográfica pode ser alto ou baixo consoante o uso que pretende dar à mesma. E não tenha medo de gastar um pouco mais… por algo que não se torne obsoleto assim tão rapidamente.
3. UTILIZADOR COMUM OU UM GRANDE ENTENDIDO

Qual é o seu nível de experiência no que toca ao mundo da fotografia? Se é apenas um utilizador comum que pouco percebe acerca da velocidade do obturador, a abertura e outras coisas mais… o melhor é ficar mesmo por uma máquina fotográfica “point and shoot”. O caso é diferente se quiser começar a perceber como funcionam todas estas características que interferem na maneira como a fotografia é tirada… nesse caso, o melhor é começar a pensar numa máquina fotográfica com modo manual que dá completa liberdade ao utilizador para tirar a fotografia perfeita.

4. O MITO DOS MEGAPIXÉIS

É fácil comprar uma máquina fotográfica… quantos mais megapixéis, melhor. Certo? Errado. Antigamente achava-se que quantos mais megapixéis uma máquina fotográfica tivesse, melhor seria. Felizmente, esse mito tem sido fortemente desmentido. A quantidade de megapixéis interfere diretamente com a resolução da fotografia. E a resolução da fotografia torna-se extremamente importante quando pretende ampliar as mesmas. Para não entrarmos em grandes detalhes, neste momento, basta dizer-lhe que uma câmara com 3MP é o suficiente para o uso comum. E não são apenas dois ou três megapixéis a mais que vão fazer a diferença, acredite.
5. FILMES

Pretende utilizar a máquina fotográfica também para fazer filmes? Se pretender mesmo uma máquina fotográfica para filmar os momentos perfeitos… procure por alguma com capacidade para filmar em HD ou 1080p de resolução de vídeo. E com microfone também. Vai parecer um profissional.

6. BATERIA OU PILHAS?

Há duas opções: bateria ou pilhas. Enquanto a bateria pode ser melhor por durar mais tempo e ser mais leve, pode também tornar-se um problema quando esgota e não tem onde carregar… Meça bem os prós e os contras de cada uma das opções.

Fonte: http://www.e-konomista.pt/artigo/como-escolher-uma-maquina-fotografica/
Data: 10/10/2016

Ficheiros OpenDocument: o que são

O Open Document Format for Office Applications (ODF), Documento de Formato Aberto para Aplicações Empresariais (DFA -AE), também conhecido como OpenDocument (OD) ou Documento Aberto (DA), é uma forma de arquivo usado para armazenamento e troca de documentos de escritório, como textos, folhas de cálculo, bases de dados, desenhos e apresentações. Este formato foi desenvolvido pelo consórcio OASIS e baseia-se na linguagem XML. O ODF é um formato aberto ao público e foi aprovado como norma ISO/IEC em 8 de Maio de 2006 (ISO/IEC 26300). O ODF foi o primeiro formato de documentos editáveis de escritório a ser aprovado por uma instituição de normalização independente.


O formato ODF foi desenvolvido por uma grande variedade de organizações, sendo possível aceder livremente às respectivas especificações. Isto significa que o ODF pode ser implementado em qualquer sistema, seja ele de código aberto, seja contrário a isto, sem ser necessário efetuar qualquer tipo de pagamento ou estar sujeito a uma licença de uso restrito. O ODF constitui-se como uma alternativa às formas de documentação que são propriedade de empresas privadas, sujeitos a licença de uso restrito ou onerosas, permitindo a organizações e indivíduos escolherem as aplicações para escritório que mais lhes convêm para lidar com os arquivos guardados que o ODF lhes oferece. O formato é independente de plataforma e fornecedor tornando-o adequado ao arquivo de documentos a longo prazo.

Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre

domingo, 9 de outubro de 2016

Frames per Second

O Frames per Second (FPS/Hz) são a quantidade de imagens que passam por segundo. O sistema visual do ser humano consegue teóricamente processar 1000 imagens destintas por seguindo mas não são reconheciveis, a maioria das pessoas conseguem processar entre 50Hz a 90Hz.
As gravações de cinema geralmente são feitas com 24Hz mas há certos filmes que aplicam 46Hz porque se acredita que abaixo disso pode criar tensão nos olhos devido á gravação ser pouco fluida por estar pouco completa e reparar se nas passagens de imagens.

Formatos de Imagem: JPG e Bitmap


Bitmap

Bitmap (.bmp) é um formato para imagens em mapas de bit. A imagem é representada através de um conjunto de bits, em que cada 3 bytes correspondem a um pixel (no sistema RGB). Neste contexto, neste tipo de ficheiros não existe compactação, de modo que os arquivos de imagem em bitmap são bastante maiores do que noutros formatos. Assim, para o mesmo tamanho, quanto mais pixeis, maior será a resolução e logo, a qualidade da imagem, mas, consequentemente, maior será o tamanho do arquivo. 



JPG

Da sigla Joint Photographic Experts Groups (.jpeg ou .jpg), O JPG é um formato de compactação, em que as informações originais sobre como a imagem deve ser gerada na tela são compactadas, por intermédio de um algoritmo de compactação, e descompactadas quando o arquivo é lido, gerando arquivos de menor tamanho. Assim, uma mesma imagem em bitmap e jpg pode ter vários megabytes no primeiro, e alguns kilobytes no segundo, no entanto, a qualidade da mesma imagem em bitmap será superior.

Jpg de alta e baixa qualidade: note-se como os blocos ficam visíveis quando a qualidade é reduzida. Por outro lado, o arquivo da segunda imagem será muito menor em bytes.

Melhoramento de Imagem

Melhoramento de imagem através do photoshop (Edição rápida) : Efeitos, cores, brilho, contrastes...




https://www.youtube.com/watch?v=FobX6-9Yqlc&t=104s

Data:9/10/16

Tipos de fotografia

Existem varios tipos de fotografia neste artigo http://fotografar.pt/os-varios-tipos-de-fotografia/ podemos ver um pouco detalhadamente cada tipo.

Vídeos no Photoshop


O tão sonhado recurso para edição de vídeos chega ao Photoshop na versão CS6. Basicamente, o software vem configurado para trabalhar com filmes da mesma maneira que tem suporte para manipulação de imagens. Você pode brincar com a edição de vídeos abrindo um arquivo através do menu "File" ou arrastando um clipe para o espaço de trabalho do aplicativo.

Ao adicionar um vídeo em seu projeto, o Photoshop CS6 automaticamente exibirá a linha do tempo na parte inferior da tela. Você pode inserir múltiplas faixas de áudio, adicionar diversos clipes e controlar as principais funções nesta área. O programa oferece recursos simplificados, de modo que você pode modificar o filme apenas arrastando determinadas partes das faixas.

O Photoshop CS6 ainda traz alguns efeitos de transição para você ligar diferentes partes de um vídeo ou para efetuar a mudança entre uma faixa de áudio e outra. Na hora de exportar, você pode selecionar um dos perfis pré-programados que permitem salvar o resultado com facilidade para o YouTube, Vimeo ou para seu gadget favorito.


Fonte do vídeo: https://youtu.be/9Gih5DOSn_A
Fonte do texto: http://www.tecmundo.com.br/photoshop/22621-photoshop-cs6-conheca-as-principais-novidades.htm

Um falcão diferente do esperado

O objetivo da viagem era fotografar o abutre-barbudo, uma ave que se alimenta quase exclusivamente de ossos. No entanto, acabou por ficar muito melhor: um falcão-chacal em uma pose inacreditável.


Assim que foi publicado para o resto da internet. Houve quem decidiu mudar um pouco o seu visual na imagem, criando um certo cenário de guerra!! E não só, nada é esperado quando "a internet" usa o photoshop como ferramenta...





O que é JPEG?

JPEG é um acrônimo de Joint Photographics Experts Group, é um método de compressão de imagens fotográficas e também é considerado como um formato de arquivo. O Joint Photographics Experts Group é o nome do grupo responsável por criar este método, que é um dos métodos mais populares de compressão de imagens até os dias de hoje. O JPEG (ou JPG) permite comprimir um arquivo e obter como resultado final uma imagem com qualidade razoável e pequena em tamanho. A relação entre qualidade e tamanho da imagem diferencia o JPEG dos outros formatos, porque facilita o armazenamento e distribuição de arquivos.


 

O JPEG é dos formatos mais populares nos dias de hoje, juntamente com o GIF e PNG. Com o aparecimento de vários formatos, surgiu também a necessidade de poder converter um determinado formato em outro. Por esse motivo, existem vários programas informáticos de conversão, por exemplo, de JPEG para PDF.

Notepad++: o que é e para que serve

Notepad++

O Notepad++ é um simples, porém, completo editor de texto de códigos fonte. Disponível para plataformas Windows, Unix, Aplle e também possível de utilizar no Linux via Wine, é um software de código aberto com licença GLP. Suporta diversas linguagens de programação onde podemos citar rapidamente as principais: HTML, CSS, Java, XML, Javascript, PHP, C++, C#, ASP, Python, Ruby,etc. Tornando-se dessa forma uma excelente alternativa ao bloco de notas para estudar e desenvolver projetos de pequeno a médio porte.

Clica para transferir o notepad++

Possui ainda diversas características que auxiliam no desenvolvimento como, por exemplo: auto completar; sistema de busca e substituição; coloração diferenciada de código; divisão de tela; navegação por abas e interface funcional. Além dessas funcionalidades e de muitas outras que Notepad++ oferece, é possível também adicionar outras funcionalidades através de plugins específicos.

Russia a interferir nas eleções dos Estados Unidos?

  Os Estados Unidos acusaram formalmente a Rússia de estar por detrás dos casos de pirataria informática que afetaram nos últimos meses várias organizações políticas. 

  "Segundo Washington, o objetivo destes ciberataques é influenciar o processo eleitoral de novembro, contribuindo para a vitória de Donald Trump, o candidato mais favorável aos interesses de Moscovo.". 


  O Kremlin qualificou as acusações de Washington como "disparates". "Trata-se, mais uma vez, de um disparate. A nossa rede sofre dezenas de milhares de ataques de hackers todos os dias", afirmou o porta-voz do governo russo, Dimitri Peskov, à agência Interfax. 

  O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, negou qualquer ligação ao ataque. "A Rússia nunca fez uma coisa dessas a nível estatal", afirmou Putin.





photoshop de um acidente de avião

Encontrei este vídeo no youtube e queria partilhar, o vídeo é de alguém que trabalha com o photoshop e que já tem grande experiencia, o resultado final é espetacular.

Abraço de Michelle Obama a George Bush abre guerra de Photoshop:

Numa cerimónia no museu Smithsonian um abraço entre estas duas grandes personalidades norte-americanas tornou-se viral pelas variantes criadas por vários "editores" com o único objetivo de caricaturar esta situação e com sorte provocar algumas gargalhadas por todo o mundo.

Aqui está a notícia (juntamente com as imagens):

http://www.jn.pt/mundo/galerias/interior/internet-nao-se-cansa-do-abraco-de-michelle-obama-e-george-bush-5411189.html

Estas imagens também nos mostram outras funcionalidades dos programas de edição não server só para o trabalho, mas também para a nossa diversão e a dos outros, o que na minha opinião é um dos aspetos mais importantes de uma vida feliz, divertirmo-nos.