sábado, 14 de janeiro de 2012

Apple suspende venda de iPhone na China após tumultos

A Apple anunciou ter suspendido a comercialização do mais recente modelo iPhone na China, na sequência de tumultos ocorridos naquele país no dia da estreia da venda do iPhone 4S. A China é o maior mercado mundial de telemóveis.

"A procura pelo iPhone 4S tem sido inacreditável e os stocks das nossas lojas estão esgotados", diz a empresa num comunicado citado pela agência AFP.

Em causa está a venda deste e de todos os modelos iPhone nas lojas Apple Store na China: três em Xangai e duas em Pequim, acrescenta a mesma agência, já que a venda dos referidos equipamentos continua disponível online e em agentes autorizados da marca.

A cobiça pelos telefones da Apple é tal que nesta sexta-feira de manhã houve confrontos que envolveram também a polícia, noticia a BBC. As filas de interessados começaram a formar-se durante a noite, à porta de uma das lojas de Pequim. Segundo a AFP, houve quem pagasse 12,35 euros (100 yuan) apenas para garantir o seu lugar na fila.

Às sete da manhã desta sexta-feira (hora local, menos oito horas em Portugal continental), alguns clientes mais impacientes começaram a atirar ovos às montras, depois de a loja não ter aberto à hora programada. Ouviu-se gritar "Abram a porta" e "mentirosos", relata a BBC.

Apesar de a venda oficial só ter começado agora na China, o iPhone 4S já está disponível no mercado negro chinês desde Outubro, acrescenta a AFP. O país conta com 500 milhões de internatutas, dos quais 340 milhões acedem à rede através de telemóveis e smartphones, refere a mesma agência, citando informações divulgadas na quarta-feira por Gao Xinmin, responsável da Sociedade de Internet da China."

In Público online: tecnologia
à data de sábado, 14 de janeiro de 2012

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Ataque no Facebook está a roubar dados pessoais




Está neste momento em curso um ataque de phishing no Facebook.
O alerta, feito pela Kaspersky Lab, explica que a ação não só se centra no roubo de credenciais dos utilizadores da rede social, como também procura obter dados mais críticos, como números de cartão de crédito.

Os analistas da Kaspersky explicam que neste ataque a foto de perfil é substituída pelo logo do Facebook e o nome passa a ser Facebook Security, mas com caracteres especiais de ASCII que substituem letras ("a", "k", "S", e "t")".

Uma vez atacada, a conta envia a seguinte mensagem a todos os contactos: "Último aviso: a sua conta do Facebook será desactivada já que alguém o denunciou. Por favor, restaure a segurança da sua conta em=> http://apps-xxxx-xxxxx-user.de.vu Obrigado. A Equipa do Facebook"

Ao clicar no link, a vitima é de imediato redirecionada para uma página web, que se assemelha muito à do Facebook e onde lhe pedem informações pessoais: nome, email, password, etc. Ao enviar a informação, os dados chegam às mãos dos cibercriminosos, que, a partir desse momento, podem aceder à conta e comprometer a sua segurança.

Se a vítima facilitar esta informação, uma nova página pede que confirme a sua identidade com um pagamento, solicitando para tal o número de cartão de crédito.

Esta última página de phishing trata de confirmar a informação do cartão de crédito, incluindo o código CSC/CVV (numeração de três dígitos que aparece na parte de trás do cartão).

Data de Visualização de Notícia: 13 de Janeiro de 2012
Fonte:http://tek.sapo.pt/noticias/internet/ataque_no_facebook_esta_a_roubar_dados_pessoa_1214007.html#

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012


São mais de 1,2 milhões o número de famílias que em Portugal continental têm em casa mais de um PC ligado à Internet, de acordo com dados da Marktest. Os números revelam a existência de mais de uma ligação à Internet em 35,3% dos lares do continente e traduzem um crescimento significativo deste indicador ao longo dos últimos anos
Ainda de acordo com a empresa de estudos de mercado, na última década o número de famílias com dois ou mais PCs ligados à Internet, em casa, cresceu 17 vezes. Em 2001 esta era uma realidade que apenas se verificava em 2% dos lares, revela o estudo Os Portugueses e as Redes Sociais. 
O avanço mais significativo deu-se entre 2009 e 2010, quando o número de famílias com vários PCs ligados à Internet aumentou mais de 7%, para os 32,4%.







A partir dessa altura (2010) o número de famílias com mais do que um computador com ligação web ultrapassou o número de famílias que continuam a tirar partido da Internet nos seus lares, apenas através de um único PC. Atualmente 30,3% das famílias mantêm-se só com um computador ligado à Internet.







Dados do mesmo estudo, revelados em novembro, mostravam que perto de 60% da população portuguesa já usa a Internet, 9 vezes mais que há 15 anos. Se em 1997 apenas 6,3% dos residentes em Portugal continental usavam a Internet, em 2011 o uso da tecnologia avançou para 59%.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Uma década depois do boom, o que é feito dos blogues?





Uma década depois do boom, o blogue não morreu, mas perdeu mediatismo. As redes sociais vieram elevar a fasquia da rapidez e da interactividade, embora não tenham ocupado por completo o tempo de quem se dedica a publicar coisas na world wide web.



Em 2000, a revista de tecnologia Wired publicou o seu primeiro artigo sobre blogging. Em 2004, a palavra “blog” foi considerada a palavra do ano pela editora americana Merriam Webster. Em 2008, a mesma revista Wired. afirmou em letras garrafais. "Twitter, Flickr, Facebook Make Blogs Look So 2004". A febre do blogue (para muitos foi uma espécie de febre) foi forte. Os debates inflamados e as quezílias entre bloggers ficaram célebres.

Paulo Querido, jornalista especializado na área dos novos media, editou em 2003, juntamente com Luís Ene, o livro “Blogs”. Um guia acima de tudo prático que ganhou pelo timing – a altura em que o blogue simplesmente emergia em Portugal.

No início de 2003, existiam 174 blogues portugueses, número que seis meses mais tarde saltou para 905, segundo as estatísticas da plataforma “Blogs em .pt”. Cinco anos depois, o mesmo autor anunciou no seu próprio blogue
"o fim da blogosfera"
.
Os sintomas tornavam-se visíveis. Os bloggers pareciam cansados de uma rotina exigente de actualizações e tinham sido atingidos por um desencanto face a um “espaço novo” que, militantemente, muitos quiseram contrapor ao jornalismo. Hoje, Paulo Querido faz um balanço dos últimos três anos: “dezenas de milhar de blogues abandonados” e “o surgimento de blogues colectivos”. Ao mesmo tempo, plataformas emergentes, com destaque para o Facebook e para o Twitter, trouxeram novas propostas de socialização.

Segundo dados do estudo “State of the Blogosphere 2011”, realizado pelo motor de busca de blogues Technorati, com uma amostra de 4114 bloggers em todo o mundo, 42% dos inquiridos haviam postado no último mês, ao passo que apenas 11% dos bloggers tinham actualizado a(s) sua(s) página(s) nas últimas 24 horas."


ATENÇÃO:

Para visualizar a notícia por completo ir à página do jornal online dedicada à reportagem.

In Público online: tecnologia
à data de terça feira, 10 de janeiro de 2012

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Jovens portugueses enviam mais de 100 SMS diários

"Os jovens portugueses enviam uma média de mais de 100 mensagens de texto por dia, de acordo com as conclusões de um estudo sobre as percepções dos jovens em relação ao uso do telemóvel.

O Instituto Superior Técnico (IST) e o Instituto de Telecomunicações (IT) divulgaram os resultados de um estudo cujo objectivo era perceber a utilização e preocupações dos jovens relativamente ao telemóvel e às radiações electromagnéticas.

O serviço de SMS é o mais utilizado pelas camadas mais jovens, que em média enviam mais de 100 mensagens por dia. As chamadas também são populares: os resultados indicam uma média de quase seis chamadas diárias, compreendendo mais de meia hora de conversação.

O telemóvel está bastante presente no dia-a-dia dos jovens, sendo que menos de 0,5% dizem não ter telemóvel. No entanto, muitos jovens afirmam ter mais do que um aparelho e a maioria teve o seu primeiro telemóvel aos dez anos.

Mais de 50% dos jovens admitem preocupar-se com os possíveis efeitos das radiações electromagnéticas, mas apenas 20% procurou informação sobre o tema. As medidas de precaução são praticamente inexistentes.

O estudo “Telemóveis e os jovens: utilizações e preocupações” foi desenvolvido durante o ano lectivo 2010/2011, e contou com 2471 inquéritos realizados em 40 estabelecimentos de ensino a nível nacional."

In Público online: tecnologia
à data de segunda feira, 09 de janeiro de 2012

Os colossos PlayStation 4 e Xbox 720 podem ser apresentados este ano

Segundo os últimos rumores, a Microsoft pode estar a preparar duas versões da Xbox 720, uma versão com um excelente hardware, para os “hardcore gamers” e uma outra a um preço mais barato, para chegar a todos os bolsos. Em conjunto com a Xbox 720, há já a confirmação de que a próxima Xbox terá um gráficos do tipo “Avatar”, um filme bastante conhecido pela sua qualidade gráfica. Um outro rumor que agrada aos fãs da Xbox, é a próxima Kinect 2 poder detectar emoções, que pode ser lançada em conjunto com a Xbox 720.

A novidade é a Sony, que costuma ser a última fabricante a lançar, como aconteceu com a Playstation 3, mas que, parece, que agora não quer perder a corrida, querendo começar ao mesmo de todos os outros. Já não é a primeira vez que há rumores sobre a sucessora da Playstation, já anteriormente, o DigiTimes tinha reportado que a Playstation 4 poderia ser lançada em 2012, incluindo que poderia ver com sensores de movimento iguais ao Kinect, trazendo o que melhor há na Xbox para a Playstation. O site MCV indica que altos cargos da Sony comentaram que não quererão ficar atrás da concorrência, o que pode indicar que já estarão a preparar alguma coisa para apresentar já na E3.
Até Junho, muitos rumores deverão aparecer, como supostas imagens da Playstation 4 e Xbox 720, mas só em Junho deveremos ter confirmação oficial. Se este rumor se confirmar, será a melhor feira de jogos alguma vez realizada 

domingo, 8 de janeiro de 2012

É brasileiro, tem apenas 15 anos e pôs o iPhone a entender português

"Um adolescente brasileiro de 15 anos de idade conseguiu que o sistema de reconhecimento de voz Siri, lançado com o mais recente modelo do iPhone, o 4S, entenda perguntas em língua portuguesa, quando oficialmente apenas reconhece o inglês, o alemão e o francês.

"Como a Apple sempre esquece do Brasil quando lança algum produto desse tipo, achei que seria uma oportunidade legal de tentar mudar isso", afirmou o jovem Pedro Franceschi à agência Lusa.

A ideia partiu de uma conversa com os amigos, utilizadores do iPhone 4S que sentiam falta de poder utilizá-lo na sua língua materna.

Simplificando a explicação, o jovem diz que a adaptação foi feita a partir da intercepção da comunicação entre o dispositivo de reconhecimento de voz do iPhone, conhecido como Siri, e os servidores da Apple. Para tal, o jovem programador utilizou a aplicação Dragon Dictation, que também transcreve dados de voz, incluindo em português.

"Basicamente, o áudio é interpretado utilizando a aplicação Dragon Dictation, da Nuance, é traduzido e regravado em inglês e então é enviado de volta para a Apple, simulando uma consulta feita em inglês ao Siri", explica o estudante.

Segundo Pedro Franceschi, a solução foi encontrada após três dias "quebrando a cabeça" e duas noites "viradas". O trabalho maior foi decifrar os protocolos de comunicação trocados entre a Apple e o iPhone 4S.

A funcionalidade ainda não está disponível para os utilizadores comuns. Mas, como se pode ler no
blogue de Pedro Franceschi, "assim que o Jailbreak [método através do qual é possível desbloquear o iPhone para permitir a instalação de outros programas, que não os aprovados oficialmente pela Apple] do iPhone 4S estiver disponível, trabalharei arduamente para fazer o Siri em português brasileiro funcionar no iPhone 4S, não dependendo assim da Apple para isso!"

Como utilizou na adaptação tecnologias que são patenteadas (da Dragon Dictation, por exemplo), Pedro explica que a única parte de seu trabalho possível de ser registável seria o algoritmo de comparação de áudios, criado por ele. O jovem afirma, no entanto, que não possui qualquer interesse em registar patentes de inventos seus, por questões ideológicas. "Acho que o conhecimento é livre e patentear software não é uma alternativa interessante", enfatiza.

Desde a divulgação da descoberta, o jovem autodidacta - que programa desde os oito anos - passou a ser procurado por empresas com ofertas de trabalho. Nenhum delas, porém, o fez sair da firma de programação onde já trabalha."

In Público online: tecnologia
à data de domingo, 08 de janeiro de 2012